terça-feira, novembro 10
Shadow

Quando mudar de área de estudo para concursos públicos?

A história é recorrente entre muitos concursandos: você está há meses estudando para um determinado concurso e, muitas vezes, o edital não vem ou quando há prova, você não alcança a aprovação. Em seguida, você coloca em dúvida o caminho pelo qual você está seguindo e se pergunta: quando mudar de área de estudo para concursos?

Em primeiro lugar, você já deve saber que, mais do que considerar bons salários, a escolha do concurso público ideal deve ser pela vocação e a compatibilidade com o cargo a ser exercido.

Além do mais, há ainda outras questões que têm grande poder de influência nas nossas escolhas. Entre elas, podemos citar o bem-estar familiar, a cidade em que você deverá morar, os riscos da carreira e mais.

Se você não está confortável com as suas escolhas e está se perguntando quando mudar de área de estudo para concursos, continue a leitura.

Para te ajudar nesse dilema, convidei o meu amigo Fernando Mesquita para comentar a sua própria experiência com mudanças de áreas de estudo. Confira!

Para saber quando mudar de área de estudo para concursos, pense que os certames são ritos de passagem

Eu, Alexandre, nunca me questionei quando mudar de área de estudo para concursos.

Exerço a carreira fiscal há 23 anos e, desde 1991, fui aprovado em cinco certames na área.

Entretanto, a história de sucesso do Fernando Mesquita é bem diferente. Só durante a sua carreira, Fernando assumiu cargos de quatro diferentes áreas: Caixa Econômica Federal, Agência Brasileira de Inteligência (Abin), TRF-1 e Analista da Câmara dos Deputados, cargo que exerce hoje.

Mas, antes mesmo de passar por  algumas dessas áreas, Fernando foi aprovado no concurso da Polícia Rodoviária Federal. Por muitos anos, ele manteve o sonho de ser policial.

Entretanto, a carreira policial reservava alguns desafios: além de ser uma carreira, naturalmente, mais arriscada, reservava à família de Fernando a mudança de endereço e outros baques emocionais.

Dessa forma, Fernando percebeu que assumir o cargo de policial talvez não fosse a opção mais assertiva naquele momento.

Dessa experiência, Fernando traz a primeira lição para quem está se perguntando quando mudar de área de estudo para concursos: pense no que você quer fazer e nas consequências da carreira.

“Muita gente esquece que concurso é um rito de passagem. Uma vez que você passar por ele, você terá cerca 40 anos de carreira pela frente. Mas, o que você fará depois disso?”, questiona Mesquita.

Segundo ele, as pessoas precisam ter uma expectativa realista do que o concurso pode ou não pode trazer em termos de benefícios, mas também, de prejuízos emocionais e familiares, por exemplo.

Faixa salarial, localização e requisitos também devem ser avaliados, mas com cautela

Muitas vezes os altos salários se tornam grandes atrativos dos concursos.

No entanto, se você deixar de lado a carreira dos sonhos para ir em busca de outra só por causa de um salário maior, possivelmente uma vida frustrada terá após a aprovação.

É claro que não estou dizendo que o salário não deve ser considerado na escolha da área de estudo.

Essa e outras questões devem ser levadas em conta, mas com equilíbrio e sinceridade.

Assim sendo, na hora de investir em um concurso, você deve considerar seu padrão de vida e a quantidade de pessoas que dependem de você para saber qual salário é suficiente.

Ademais, outra questão importantíssima é a localização onde será exercido o cargo.

Há concurso de todo tipo: alguns concursos federais já permitem escolha de local no ato da inscrição; em outros, não há como saber antecipadamente, podendo ser qualquer lugar do país.

Há também concursos estaduais, regionais e municipais. Claro que quanto mais restrita for a sua exigência, menor o leque de oportunidades.

Entretanto, tudo depende da sua situação específica: é viável mudar para outro estado ou região? Não deixe de avaliar esse aspecto!

Por outro lado, ter pré-requisitos que atendem o certame podem influenciar quando mudar de área de estudo para concursos.

De certo, seu nível de escolaridade, se você tem ou não formação específica – de nível técnico ou superior – são requisitos que qualificam você ou impedem de participar de determinados concursos. Preste atenção!

Evite ser o “concurseiro ping-pong”

A pior solução que muitas pessoas encontram para a dúvida de quando mudar de área de estudo para concursos é se inscrever em toda e qualquer oportunidade que surgir.

Portanto, evite ser o “concurseiro ping-pong”, nas palavras do Mesquita e o “metralhadora giratória”, ao meu ver.

Mas o que significa isso? Em ambos os casos, os termos são usados para exemplificar o concursando que não tem foco. Ou seja, em um momento está estudando para ser fiscal, em outro, apostando suas fichas em cargos do judiciários e mais.

Essa postura é extremamente prejudicial para o alcance da aprovação porque, segundo Fernando, assim “você não constrói capital intelectual o suficiente para passar em uma prova”.

Assim sendo, quanto mais você estuda para uma área, mais você aprende e maior é a probabilidade de retorno.

As alternâncias de Fernando entre as áreas de estudo para concursos não foram um caso de ping-pong. Tratavam-se de decisões influenciadas por outro contexto, como o familiar.

Após dispensar o cargo na PRF, Fernando escolheu a área administrativa, que era sua formação e não exigia pré-requisitos.

Além do mais, a área policial exigiria muito esforço e desgaste familiar. Logo, a troca foi baseada em questões verdadeiramente significativas. Em suma, em hipótese alguma, troque de área apenas por trocar.

Se for fazer outro concurso, procure por semelhantes

Quando dizemos para você não se tornar uma metralhadora, não estamos te incentivando a permanecer na sua área, mesmo insatisfeito.

Fernando relembra que quando tinha planos de trabalhar na área legislativa primeiro fez a prova de administrador do Senado.

No entanto, embora preparado, ele não alcançou a aprovação. Mas, na mesma época, foi divulgado o edital da Câmara dos Deputados. Nessa oportunidade, o cargo de taquígrafo apresentava uma ementa muito semelhante àquela que ele estava estudando antes.

Dessa forma, foi possível aproveitar muito dos esforços dedicados à prova anterior e, assim, alcançar a aprovação na outra oportunidade.

Portanto, antes de buscar novas áreas ou até mesmo outros certames dentro da área escolhida, busque opções semelhantes, a fim de construir e aproveitar seu capital intelectual.

Por fim, Fernando Mesquita enfatiza que saber quando mudar de área de estudo para concursos depende, sobretudo, de uma razão: “Toda mudança de área que eu fiz tinha uma razão. Quando comecei na área policial, era porque achava que era vocacional. Quando mudei para a área administrativa é porque a área policial não era um ajuste perfeito. E, por fim, a taquigrafia foi a minha forma de adentrar no legislativo”, conclui.

Logo, o nosso conselho final é se você decidir mudar de área, tome a decisão definitivamente. Ficar trocando entre as mais diversas áreas só irá adiar a sua aprovação.

Um abraço, Alexandre Meirelles.

You have Successfully Subscribed!

Dúvidas ou comentários? Escreva no campo de “comentários” logo abaixo. Além disso, fique à vontade para compartilhar este artigo nas redes sociais:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *